Archive for Outubro 2012

O Calor do Súcubo

Depois de terminar seu namoro com o mortal Seth, Georgina tem se comportado tão mal que seu chefe Jerome, resolve “terceirizá-la” para um arquidemônio rival e aproveita para fazer dela uma espiã. Para cumprir esta tarefa ela é obrigada a viajar e deixar Seth nas garras da nova namorada. Para piorar tudo, Jerome é sequestrado, e todos os imortais sob seu controle perdem misteriosamente os poderes e tornando-se meros mortais. O lado bom de tudo isso é que Georgina pode, então, fazer tudo o que sempre quis com Seth. Em meio a toda essa confusão na comunidade sobrenatural, ela terá de administrar essa paixão, salvar seu chefe demônio e descobrir quem é que está aprontando com eles. Conexões é um livro repleto de intrigas, suspense e com um enredo que lida com uma das grandes indagações humanas: quanto poder tem a nossa mente e do que os cientistas são capazes para explorá-la? 

Livro: O Calor do Súcubo
Série: Georgina Kincaid #4
Páginas: 288
Editora: Essência

Antes de começar: Súcubo (s.m.) – Fascinante criatura do mal, do sexo feminino. Capaz de mudar de forma; seduz e dá prazer a homens mortais sugando suas forças para próprio sustento.

O Sonho do Súcubo


A cidade de Seattle está passando por grandes mudanças, e um novo súcubo chega para tumultuar ainda mais os dias já nada calmos de Georgina Kincaid. Não que ela se importe em deixar de ser a garota, a única garota, da turma. Só não tem tempo a perder como tutora de Tawny – que, mesmo com todos os seus dotes de súcubo, parece completamente inepta na arte da sedução. Georgina tem problemas realmente sérios para resolver. Apesar de estar no auge de seu sex appeal, toda a energia que rouba dos homens numa noite de sexo desaparece na manhã seguinte, após um sonho. “O” sonho. E a vida dela não é a única em perigo. Seth Mortensen, seu grande amor, é gravemente ferido, e um demônio o está rondando, com uma proposta de vida eterna. Ela precisa evitar que Seth cometa o mesmo erro que ela e venda a alma, ainda que, agindo assim, corra um sério risco de perder o homem que tanto ama para... uma mortal.

Livro: O Sonho do Súcubo
Série: Georgina Kincaid #3
Páginas: 256
Editora: Essência
Antes de começar: Súcubo (s.m.) – Fascinante criatura do mal, do sexo feminino. Capaz de mudar de forma; seduz e dá prazer a homens mortais sugando suas forças para próprio sustento.

O Poder do Súcubo

Seth Mortensen era tudo o que Georgina podia querer e tudo o que não podia ter. De que adiantou ter conquistado o namorado amoroso e estável que buscou durante séculos se o máximo que poderia fazer com ele era… ficar de mãos dadas?! Qualquer coisa menos inocente abreviaria a vida de seu amado. Afinal, Georgina é um súcubo! Como se não bastasse ter uma vida amorosa desastrosa, seus dias no trabalho estão, sem trocadilhos, infernais. Seu colega Doug passa a ter um comportamento no mínimo estranho, e Georgina desconfia que seja efeito de algo mais poderoso que uma overdose de café. Para complicar, seu melhor amigo imortal, um íncubo tão irresistível para as mulheres como ela é para os homens, precisa de sua ajuda numa missão politicamente… sedutora.

Livro: O Poder do Súcubo
Série: Georgina Kincaid #2
Páginas: 271
Editora: Essência
Antes de começar: Súcubo (s.m.) – Fascinante criatura do mal, do sexo feminino. Capaz de mudar de forma; seduz e dá prazer a homens mortais sugando suas forças para próprio sustento.

Quero dedicar essa resenha ao meu amigo Marcos, que se foi tão cedo. Que Deus esteja com você.

Com o final de tirar o fôlego do livro de A Canção do Súcubo, antecessor e primeiro livro da série Georgina Kincaid, começamos O Poder do Súcubo em clima de festa, já deixando o leitor mais a vontade e semeando o desenrolar dessa leitura tão agradável, e vamos combinar que depois de tudo que a Georgina passou no primeiro livro, ela merecia uma comemoraçãozinha.

Mulheres, mulheres, mulheres, porque tão confusas? Creio que o maior desafio de um homem é tentar entender o que se passa pela cabeça das mulheres e esse livro realmente torna isso mais impossível ainda, já que é narrado pela própria Georgina, uma confusa e tremenda louca. Há uma mudança, digamos assim, trágica no jeito de Georgina comparado ao primeiro livro onde suas atividades de súcubo estavam devidamente ativas. Porque isso? Apenas um nome: Seth Mortensen. Olha, eu não sei se é porque ele é o único homem da história que realmente presta, sem modéstia alguma, me identifiquei muito com o Seth (risos). Ele tem aquela coisa de não amar de uma forma egoísta, bem Edward (Saga Crepúsculo) e essa é uma das qualidades mais admiráveis em um homem, em minha opinião própria, é claro.

Georgina se vê em um grande impasse em sua relação com Seth, já que até um beijo pode ser fatal, já que ela o deseja tanto. Caros leitores, imaginem uma relação onde não se pode beijar, quase não se tocar e principalmente sem o essencial para um casal? Esse é o dilema de nossa querida Georgina e posso lhes assegurar de que isso é possível, não de uma forma forçada ou clichê. A Richelle realmente não deixa nada a desejar em seus livros!

Encontramos caras novas ao desenrolar da história, e o único que faço questão de citar, é claro, é o Bastien. Leitores preparem-se para dar boas e longas gargalhadas com esse íncubo (masculino de súcubo), ele tem seus altos e baixos na história, mas é uma boa pessoa, ou melhor, um bom imortal. 

Mas vamos ao que realmente interessa. O livro não baseia-se somente nas dificuldades da relação de Georgina, mas também na execução de um plano um tanto maléfico, logicamente envolvendo Bastien e o estranho comportamento de Doug, um dos amigos de Georgina e caso tenha passado essa idéia, ela não abandona seu trabalho infernal de Súcubo, ao menos não totalmente. Apesar disso o tema prevalente desse capítulo da história não é o mistério e isso que ira proporcionar ao leitor uma leitura suave e lógico com seus toques picantes.

Deus sabe o quanto ri nos últimos capítulos desse livro. Como as coisas podem ter sido resolvidas de formas tão inusitadas? Spoilers a parte, realmente foi um riso atrás do outro e claro, sem perder o seu toque um tanto erótico nos mostrando um final que literalmente vai apimentar a mente dos leitores.

Resumindo: O que diabos você está fazendo para não estar lendo O Poder do Súcubo? Leia já! (risos).
- Georgina. Um belo nome para uma bela mulher - ele ergueu minha mão até os lábios, carnudos e rosados, e beijou-a. Reteve-a por um instante, enquanto seus olhos penetravam nos meus, e então endireitou-se e me soltou. - Meu nome é Sol.

A Canção do Súcubo

A Canção do Súcubo não é apenas uma história de fantasia. Longe disso. Neste romance mais do que inusitado, onde demônios, vampiros e anjos caídos convivem com mortais, a autora surpreende com o vigor de sua imaginação.  No centro da história, está Georgina Kindcaid, uma mulher que é não apenas poderosa, mas glamourosa. Ela tem todos os homens a seus pés, mas não pode ter o único homem que deseja. Se ela ceder aos seus impulsos, pode levar seu amado à morte. Mas como resistir a Seth Mortensen, seu escritor favorito, que o destino colocou no seu caminho?  O mundo de um súcubo pode parecer um inferno para quem vê de fora, mas na verdade é delicioso para quem se deixa levar. Toda mulher tem seu lado súcubo. 

Livro: A Canção do Súcubo
Série: Georgina Kincaid #1
Páginas: 304
Editora: Essência
O tempo em que estive lendo esse livro foi realmente engraçado já que todas as cenas engraçadas, absurdas ou sensuais, eu obrigava meus amigos a ler, então dedico esta resenha a todo mundo que riu e ficou boquiaberto com esse livro maravilhoso.

Antes de começar: Súcubo (s.m.) – Fascinante criatura do mal, do sexo feminino. Capaz de mudar de forma; seduz e dá prazer a homens mortais sugando suas forças para próprio sustento.

Creio que o leitor deve ser mente aberta e estar disposto a todos os tipos de leitura e toda vez que deparo-me com leituras que as personagens principais são mulheres, cada vez mais acredito na teoria de que mulheres são criaturas de gênio muito estranho. A canção do súcubo é um livro em que o lado sarcástico e humorístico da personagem principal torna tudo engraçado e agradável, mas ressaltando o que eu disse anteriormente, a bipolaridade da personagem principal e a preferência pelo pior homem possível pode incomodar um pouco da forma mais engraçada possível.

A história gira em torno de Georgina Kincaid, uma súcubo que mesmo com todo o seu trabalhinho infernal, trabalha como gerente em uma livraria chamada Emerald City Books & Café. Viciada em café e nos livros de um tal autor chamado Seth Mortensen, sem ao menos nunca ter visto uma foto dele, Georgina, na noite de autógrafos do autor na livraria em quem trabalha, conversa com um estranho sobre Seth e tudo que faria pelo original do próximo livro, mas logo em seguida descobre que o estranho era o próprio Seth (que loucura, não?) dando inicio a estranha relação dos dois. Georgina mantém um relacionamento secreto com seu chefe para satisfazer suas necessidades de súcubo, mas para fugir de mais um momento intimo com ele finge estar saindo com Roman, um cara desconhecido que aparece na livraria salvando a vida de Georgina.  Sem spoilers, mas sempre estive com uma pulga atrás da orelha em relação ao relacionamento de Georgina com Roman, sempre julguei-o um sujeito estranho e que mostraria ser totalmente diferente no final. Será?
"- Então eu disse, sem saber quem ele era, que seria a escrava sexual de Seth Mortensen para conseguir cópias das provas finais dos livros dele, antes de todo mundo."
O livro conta com a presença de varias criaturas fantásticas, desde anjos até vampiros, mas não deixe se enganar pelos clichês, já que a Richelle expõe tudo de uma forma muito original e bem humorada. Conta também com a presença de um mistério, lógico, que prende o leitor até a última página e apesar do final tão resolutivo, a autora cria um final viável, porém sem forte alicerce para as próximas aventuras de Georgie, mas cá entre nós: Quem não está louco para saber se Georgina finalmente vai se entregar ao romance com Seth com Roman? Com a presença de muitas cenas bem eróticas e descritivas eu creio ser um livro adulto, mas relaxem que o livro não é sobre sexo, com cenas fortíssimas ou pornô. A autora trata essa questão com muita leveza e em sua dose certa, porém tenham certeza de que vai arrancar muitas risadas por aí.
"Não era a paixão passageira que eu havia imaginado. Nem a atração passageira que pensava ter dissuadido. Era mais, muito mais. Eu encarnava tudo o que ele imaginava em uma mulher: humor, beleza, inteligência, bondade, força, carisma, sexualidade, compaixão... Sua alma parecia ter reconhecido a minha, ter sido arrastada incontrolavemente para mim. Ele me amava com uma profundidade de sentimente que eu não podeia avaliar, embora tivesse tentado, juro. E eu queria. Queria sentir tudo aquilo, embeber-me naquela chama que havia dentro dele. Consumi-la. Arder com ela."
Resumindo: A Canção do Súcubo, é um livro totalmente original a meu ver e ao contrário de muitos que baseiam-se em triângulos amorosos, posso afirmar que esse é um circulo, bem extenso por sinal (risos). Abram alas pois Georgina Kincaid veio para ficar!

- Copyright © 2013 Richelle Mead Brasil - Adaptação por Jonah Martins - Modelo base por Johanes Djogan -